Crítica #6: A Hospedeira


               Estou a mais ou menos meia hora olhando para essa tela do computador e não sei por onde começar. Acho que quando sentei na poltrona do cinema ( sozinho ): ),  eu queria um filme fiel ao livro e adivinhem? Foi exatamente isso que ganhei, mas eu não gostei. No fundo, quando sentei na poltrona, eu queria me surpreender. Queria ver a historia, que me fez chorar, por outros olhos. Queria que o filme me emocionasse na de maneira superior ao livro, queria um filme que me prendesse na poltrona e não largasse até eu chorar.
               Dia 29/03, estreou no cinema a adaptação cinematográfica do livro de Stephenie Meyer, A Hospedeira. Caso você não conheça a historia, você pode ver nossa resenha ou ler a sinopse do filme abaixo: 
            "A Terra é ocupada por um inimigo que não pode ser detectado. O ser humano se torna o hospedeiro desses invasores: sua mente é extraída, enquanto o corpo permanece intacto. A nova consciência que o ocupa passa então a conduzir sua vida, que aparentemente prossegue sem alteração.
               A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Melanie Strider não. Junto aos poucos remanescentes da nossa espécie, ela vive em segredo. Até, um dia, ser capturada.
               Ela seria apenas mais uma vítima, mas não, luta contra seu invasor, Wanderer, e o alienígena acaba assumindo grande parte das emoções de sua hospedeira, inclusive o amor por Jared, um dos líderes da resistência formada pelos poucos humanos não atacados."



               Eu perdi os primeiros minutos do filme (culpa da atendente), então não sei como exatamente o filme começa, mas tenho uma noção por causa do livro e talz. Comecei a ver da parte que a Peg revela os segredos da Mel para A Buscadora. A partir daí o filme é muito bom. Somos entregues aos pesamentos da Peg e da Mel em constante conflito e uma buscadora cada vez mais obsessiva. Depois de muita pressão e ameaças Peg desiste e Mel toma o controle e acaba a levando para a colônia dos humanos sobreviventes. Lá Peg se ver em um conflito, seu corpo deseja Jared e seus sentimentos como Alma desejam Ian. Depois de muita confusão amorosa e perseguições da Buscadora, Peg entende o que deve fazer para ajudar a humanidade. Não vou falar mais porque posso acabar falando algum spoiler, então vamos ao que eu achei do filme.
               O filme em si não funciona, digo, é uma ótima adaptação, mas não me surpreendeu em nada por justamente ser igual ao livro. Já em termos técnicos o filme é lindo, a fotografia é marcante, algo que lembra a fotografia de Crepúsculo  As atuações a Saoirse Ronan SAMBOU no recalque, sua atuação foi LINDA, ela soube exatamente como interpretar os conflitos emocionais entre Peg e Mel, ta de parabéns. E odiei a atriz que fez a Peg no final, não parece em nada com a do livro. O diretor soube conduzir muito bem a historia e soube onde acrescentar algumas pouquíssimas cenas que no fim somam muito. 


               Por fim, o filme me fez entrar em um grande dilema pessoal, uma duvida está passeando pela minha cabeça até agora: "Até que ponto ser fiel?". Ao meu ver, entramos numa sala de cinema pra ver a historia que lemos, mas no fundo queremos ela de outro jeito, queremos ser surpreendidos, queremos um novo olhar para a historia que nós conhecemos. A Hospedeira, apesar de ter seus cortes que na minha opinião foram certeiros, não surpreende quem leu o livro. 
               Então, acho que é isso. Aqui são minhas humildes opiniões sobre esse filme e espero que vocês tenham gostado. Alguém já viu? Deixe sua opinião nos comentários :D

Nota: 4 ursinhos



ps.: Quase me esquecia, vocês devem saber que esse é o primeiro filme de uma trilogia certo? O final deixa claro que vai ter continuação. Tanto novos livros, quanto filmes, tudo depende do sucesso de A Hospedeira. Não gostei dessa noticia, achei desnecessário, mas fazer o que?

Pablo Petterson

Comente com o Facebook:

6 Comentários

  1. Voltei a ler o livro que eu tinha abandonado só para poder comparar com o filme, espero mudar minha opinião. Dá primeira vez que comecei a ler, achei muito chato :/ Ah, tô seguindo o blog.

    Um beijo, Karine Braschi.
    Geek de Batom.

  2. O começo do livro é bem chato mesmo, mas depois fica muito bom haha. Vale a pena, continue!
    Obrigado por seguir, estamos seguindo seu blog também :3

  3. Eu concordo em partes, aquela atriz que fez a Peg no final parece que usa peruca e tem botox nas bochechas. Mas acho que faltou muitas partes importantes, por exemplo, o Walter e tudo que acontece com ele, a cena do jogo de futebol da Peg com o Ian, ela mergulhando a batata frita no milkshake foi uma cena hilária, achei também que faltou mais emoção no Ian quando a Peg disse que ia embora. -essa cena foi tão linda no livro-. Mas mesmo assim, o filme superou as minhas expectativas, achei que não seriam tão fiel. Estão de parabéns.

  4. Das cenas que você citou a mais importante, na minha opinião, é a falta de emoção quando a Peg se despede do Ian, o resto pode ser retirada sem danos. E a atriz que faz a Peg no fim ficou estranha, a peruca principalmente.

  5. O livro foi um dos melhores que li, adorei, chorei, dei risada, foi perfeito. Gostei do filme também, mas algo ficou faltando e fiquei me fazendo a mesma pergunta que você, "até onde o filme deve ser fiel?".
    Ah, também senti falta da emoção na despedida, essa cena foi de arrancar suspiros no livro...

  6. O livro é fantástico, o único que me fez chorar XD Muito bom mesmo! O filme também é bom, só não surpreendeu, mas é muito bom. A despedida do Ian e Peg é uma das cenas mais <3 do livro, faltou muita emoção no filme :/

Deixe um Comentario.

Parceiros

Parceiros

Divulgue

Escolha uma das imagens e seja nosso parceiro!

Tweets